circuitos pngcircuitos png

twitter
facebook
feed

Dicas
Home > Notícias > Energia solar é tendência no mercado de construção
07/05/2019

Energia solar é tendência no mercado de construção

Financiamento das placas fotovoltaicas já é possível. Rede de franquias Banneg – Banco de Negócios oferece serviço com condições especiais e possibilidade de financiar 100% do empreendimento

Energia solar é tendência no mercado de construção


A vasta extensão de seu território e o fato de ser um país tropical permite ao Brasil a produção de uma forma limpa de energia: através do Sol. Ao todo são mais de 8,5 milhões de km² sendo que a produção e utilização da energia solar é viável em praticamente todo o território brasileiro.

Mesmo com tanta oferta, mais da metade da produção de energia do país ainda fica por conta das hidrelétricas. Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica mostram que há 2469 empreendimentos de energia solar fotovoltaica em operação no Brasil (18 estão em construção e 50 operações ainda não saíram do papel). Faltam incentivos e ajustes fiscais para a produção de energia solar que apesar de sua pequena participação encontrou terreno fértil para crescer.

Por ser um investimento a longo prazo, várias instituições e empresas do mercado financeiro passaram a oferecer incentivos para quem busca investir em energia solar, seja em casa, na empresa ou em qualquer outro empreendimento, como o Banneg - Banco de Negócios, que acaba de lançar o financiamento para placas fotovoltaicas: “O serviço é voltado para todos os setores: residenciais, empresariais, comerciais, rurais, etc. Esperamos uma alta demanda: a energia solar já é uma realidade nas construções atuais, deixou de ser uma tendência para se tornar um objetivo. As pessoas estão mais conscientes com os impactos que deixam no mundo e a energia solar é uma forma limpa de gerar algo tão fundamental em nossas vidas, a eletricidade”, explica Odair Bellentani, diretor comercial da rede.

Como funciona

Expostos diretamente ao sol, geralmente nos telhados das construções, o painel reage com a luz e produz energia. Essa energia é convertida em energia elétrica e fica disponível no “quadro de luz” para ser distribuída no local, podendo ser utilizada para TVs, computadores, lâmpadas, equipamentos elétricos, enfim, qualquer finalidade que precise de energia elétrica para funcionar.

Em média, painéis solares duram mais que 25 anos. Após esse prazo, o sistema continua funcionando e consegue gerar 80% de sua energia em relação ao primeiro ano de geração, indica a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). “A placa avulsa custa, em média, R$1200. Pode parecer um investimento muito caro, mas ao ter ideia do quanto de energia que pode ser produzida em apenas uma placa o cliente já fica convencido”, diz o diretor.

O financiamento cobre até 100% do custo do projeto (independentemente da quantidade de painéis) e pode ser pago à vista ou parcelado (12 a 60 meses) com juros de 0,9% a 2,7% ao mês.

Vantagens

Além de não poluir durante sua produção e utilização, a manutenção dos painéis é mínima e, o melhor, a conta de luz diminui bastante: “Nos últimos anos houve um aumento considerável no preço da energia elétrica e isso afeta demais o bolso do consumidor. Essa situação faz com que as pessoas busquem por formas mais acessíveis de energia e um dos diferenciais da energia solar é que você não depende de uma empresa para produzir a energia para você, seu próprio empreendimento gera o suficiente para se manter e ainda sobra!”, diz Bellentani.

Falando em sobrar, recentemente o Brasil alcançou a marca de 350 megawatts (MW) de potência instalada em sistemas de distribuição solar. Apesar de ser uma conquista significativa, há países que já estão bem avançados nessa questão como China (131 GW), EUA (51GW), Japão (49 GW) e Alemanha (42GW) - a diferença é tanta que os países mencionados não produzem mais em megawatts, como o Brasil, mas em gigawatts, potência bem maior.

Mesmo sem atingir níveis surpreendentes, a produção brasileira não para de crescer: Minas Gerais é destaque na produção solar com 21,7% de participação, seguido por Rio Grande do Sul (16,2%) e São Paulo (12,1%). “O mundo está mudando e nosso comportamento precisa acompanhar essas mudanças. O Brasil é um país abundante em água, mas essa quantidade não é tão grande quanto já foi um dia. Diversas questões envolvem as hidrelétricas como as secas e, consequentemente, seu preço de distribuição. A energia solar é a alternativa para quem quer contribuir com um mundo melhor, respeitando o meio ambiente”. O financiamento de painéis fotovoltaicos já está disponível em todas as unidades do Banneg e pode ser adquirido com qualquer consultor da rede.

Banneg - http://www.banneg.com.br



Fonte:






Comente



Compartilhe:





Video da Semana

VEJA MAIS VIDEOS




Eletrônicos

Ferramentas














Guia Construir e Reformar
Guia Construir e Reformar 2007-2019 ©, uma empresa do Grupo Guias Web - Todos os direitos reservados
Normas de Uso - Política de Privacidade